– O que é HEPATITE C?

É a inflamação no fígado provocada pelo vírus C (HCV, também conhecido como VHC). No início não passa de uma pequena inflamação hepática, mas que, progressivamente, pode evoluir para uma fibrose que, se não tratada, leva à cirrose hepática e , consequentemente, a um câncer de fígado. Cerca de 30% dos portadores deste vírus correm risco de evolução para uma doença hepática avançada.

– Por que a Hepatite C é complexa?

Antes de tudo, porque não há vacina contra a Hepatite C. Outra razão é que a ação do vírus é lenta e silenciosa (na maioria dos casos não apresenta qualquer sintoma) e em 80 a 85% dos infectados, torna-se crônica em pouco tempo, estabelecendo-se no organismo por vários anos. Atenção: nem todos os indivíduos infectados evoluem para doença hepática grave. Estima-se que 30% do universo dos portadores deste vírus tenha uma doença grave no seu fígado ao longo de décadas com o vírus no seu organismo.

– Formas de contágio com o vírus da Hepatite C

  • O vírus da Hepatite C é transmitido pelo sangue ou seus derivados. Assim a partilha de material perfurocortante (agulhas, seringas, lamina de barbear, etc) podem transmitir a doença.
  • Pessoas que receberam transfusão de sangue ou plasma antes de 1993 podem ser portadoras do vírus da hepatite C
  •  Algumas práticas sexuais traumáticas estão associadas a transmissão da doença, todavia estas são formas de transmissão de menor frequência.

– Sintomas da Hepatite C

Na maioria dos casos, no início, não apresenta nenhum sinal ou sintoma. Quando ocorrem, são:

  • Sintomas de resfriado ou gripe;
  • Elevação dos níveis de enzimas hepáticas;
  • Fadiga (cansaço muscular);
  • Perda de apetite;
  • Dores nas juntas (articulações) ou musculares;
  • Náuseas;
  • Dores nas pernas (“batata da perna”) e pernas cansadas;

– Como proceder quando observar um ou mais sintomas possivelmente relacionados à presença do vírus C?

  • Imediatamente procurar um médico hepatologista (um gastroenterologista ou um infectologista, que tenham conhecimento em hepatites virais);
  • Procure também um grupo de apoio a portadores do vírus C, o qual lhe dará informações e indicações do caminho a seguir;
  • E o mais importante: não se desespere, continue com sua rotina normal, mantenha-se em atitude positiva, pois a hepatite C tem cura e você não está sozinho nesta luta.

– Qual o exame que detecta a Hepatite C ?

O teste mais simples, chamado anti-HCV; este teste é realizado através de uma simples coleta de sangue. O exame pode ser de sorologia ou teste rápido.

– Exames complementares para detecção da Hepatite C

Caso o resultado do anti-HVC seja positivo, deve ser feito o exame HVC-RNA (PCR qualitativo). Se confirmado o diagnóstico, o médico solicitará outros exames e poderá ser feita uma biópsia hepática ou fibroscan.

– O que é o exame HVC-RNA por PCR?

É um teste direto que detecta, quantifica e caracteriza componentes da partícula viral. O RNA-PCR lhe trás três informações; qualitativo, quantitativo e determina o genótipo do vírus (definem os aspectos genéticos do vírus). O teste qualitativo indica a presença do vírus na circulação sanguínea. O quantitativo mede a quantidade de vírus por unidade de volume de sangue e a genotipagem indica a linha de tratamento. O teste quantitativo só deve ser solicitado antes do tratamento e na 12ª semana de tratamento.

– Por que muitos médicos pedem frequentemente o PCR (HCV-RNA) Quantitativo?

A quantificação do vírus (carga viral) não tem relação com o prognóstico ou a história natural da doença. Serve para ajudar a entender a chance de resposta ao tratamento, como também para avaliar a resposta as medicações iniciadas.
É preciso investir em educação médica na área. Hepatologistas solicitam muito pouco a quantificação viral.

– O que é a biópsia hepática?

Biópsia de fígado ou biópsia hepática é um procedimento por meio do qual se retira um pequeno fragmento de tecido hepático que será examinado sob microscópio de forma a identificar as causas ou analisar o estágio de evolução de uma doença do fígado.

– Principais tipos de biópsia

O método mais comum é o percutâneo ou transparietal, onde a retirada da amostra do tecido hepático é feito através de uma agulha especial com anestesia local. Pode ser feita com uma ultrassonografia prévia marcando o local da punção ou ao mesmo tempo em que é realizada a ultrassonografia. Este é um método seguro, simples e barato. Outro método usado é a laparoscopia. Pela laparoscopia, sob anestesia geral, um instrumento (câmera) é inserido através de um pequeno corte na parede abdominal. É ainda realizado outro pequeno corte por onde será retirado o fragmento do fígado para ser analisado por um médico patologista.

– O que é Fibroscan

Fibroscan é um procedimento para medir a elasticidade hepática. Parace um ultrassom e não é invasivo. Em muitos casos pode substituir a Biópsia para estadiar a hepatite C e definir tratamento. O Fibroscan ainda é escasso no Brasil e está disponível em poucas unidades do SUS.

– Quais são as pessoas consideradas vulneráveis a contrair a hepatite C

  • Quem recebeu transfusão de sangue ou hemoderivados antes de 1993;
  • Quem fez ou faz hemodiálise;
  • Pessoas que tinham hábito de tomar estimulantes e fortificantes venosos nas décadas de 70 e 80 (Gloconergan, Tiaminose, Glicose, etc) com seringas de vidro. Muitas vezes estes medicamentos eram aplicados em farmácias ou por farmacêuticos práticos;
  • Hemofílicos;
  • Quem usa ou usou drogas injetáveis ou aspiradas;
  • Quem teve ou tem múltiplos parceiros sexuais ou que faz ou fez sexo de comportamento de risco;
  • Pessoas que fizeram acupuntura sem uso do material descartável;
  • Pessoas que colocaram tatuagem ou “piercings”;
  • Profissionais da área de saúde que têm contato com sangue, tais como médicos, enfermeiros, dentistas, laboratoristas, etc;
  • Familiares de portadores do vírus C;
  • Receptores de órgãos ou tecidos transplantados;
  • Pessoas que em exames de rotina apresentam valores acima do normal para enzimas como TGO (AST), TGP (ALT) e outras ligadas às funções hepáticas;
  • Pessoas que usaram medicação com seringa de vidro.

Na década de 70 e 80 era muito comum a automedicação, mesmo em farmácias, com estimulantes do tipo Glucoenergan, Energizan, Tiaminose, Complexo B + Glicose. Estes medicamentos eram utilizados por via endovenosa com seringas de vidro. Na Bahia, este hábito foi um dos principais responsáveis pela disseminação da doença. Se você tinha este hábito, procure o seu médico e solicite investigação para hepatite C.

– Há tratamento para a Hepatite C?

Sim, mas nem todos os pacientes com o vírus C necessitam de tratamento de imediato. Seu médico saberá verificar o comprometimento hepático e se você vai se beneficiar com o tratamento.

– Pacientes que devem ser tratados da hepatite C

O tratamento é indicado principalmente em:

– Infectados não tratados anteriormente com os medicamentos daclatasvir, simeprevir ou sofosbuvir, e que apresentem resultados de exame indicando fibrose hepática avançada (METAVIR F3 ou F4). 

– Infectados nunca tratados ou os não respondedores a um tratamento anterior com interferon com fibrose avançada (METAVIR F3 ou F4). 

– Infectados com uma biopsia com resultado F2 presente há mais de três anos. 

– Coinfectados com HIV (AIDS), com qualquer grau de fibrose. 

– Infectados com manifestações extra-hepaticas com acometimento neurológico motor incapacitante, porfiria cutânea, líquen plano grave com envolvimento de mucosa. 

– Infectados com crioglobulinemia com manifestação em órgão-alvo (olhos, pulmão, sistema nervoso periférico e central), glomerulonefrite, vasculites e poliarterite nodosa. 

– Infectados com sinais clínicos ou evidências ecográficas sugestivas de cirrose hepática (varizes de esôfago, ascite, alterações da morfologia hepática compatíveis com cirrose). 

– Infectados com insuficiência hepática e ausência de carcinoma hepatocelular, independentemente da necessidade de transplante hepático. 

– Infectados com insuficiência renal crônica. 

– Infectados com púrpura trombocitopênica idiopática (PTI). 

– Infectados após um transplante de fígado ou outros órgãos sólidos. 

– Infectados com linfoma, gamopatia monoclonal, mieloma múltiplo e outras doenças hematológicas malignas (Cuidado com possíveis interações medicamentosas)

– Quem não deve ser tratado da hepatite C?

– Infectados que abusam de álcool ou drogas. 

– Infectados que apresentam cardiopatia grave. 

– Infectados que apresentam disfunção tiroidiana grave. Com distúrbios psiquiátricos não tratados. 

– Infectados com neoplasia recente. 

– Infectados com insuficiência hepática ou antecedente um transplante de órgão solido que não seja o fígado. 

– Infectados com distúrbios hematológicos: anemia, leucopenia, plaquetopenia (glóbulos vermelhos, leucócitos ou plaquetas baixas). 

– Infectados com doenças autoimunes.

– Existe tratamento alternativo para a Hepatite C?

Não existe tratamento alternativo para a Hepatite C cientificamente comprovado. Em que pese várias ervas medicinais estarem em fase de observação, não há resultados científicos que comprovem que as mesmas possam ter efeitos diretos ou indiretos beneficiando o portador do vírus da hepatite C. Os pacientes devem ficar alertas, pois essa é uma área onde há muita exploração da boa fé dos pacientes.

– Quais os Genótipos e subtipos da Hepatite C (Genética do Virus)

  • Através do exame de genotipagem se identifica os genótipos. No Brasil, os genótipos mais comuns são  1, 2 e 3. Os genótipos 4, 5 e 6 são raros no Brasil. Os genótipos definem os aspectos genéticos do vírus.
  • Na Europa e América também predominam os genótipos 1,2 e 3. No Brasil 75% dos contaminados têm o genótipo tipo 1. Os 25 % restantes são 2 e 3. Os genótipos somente indicam o comportamento do vírus durante o tratamento.
  • É importante a determinação do genótipo antes do tratamento.

– Os genótipos da hepatite C no Brasil e a possibilidade de cura

Com a chegada dos medicamentos orais livres de interferon os genótipos 1 e 2 passam a ser os que obtêm a maior possibilidade de cura com o tratamento e a preocupação dos médicos passam a ser os infectados com o genótipo 3, porque é o genótipo que responde menos que os outros genótipos. Os infectados com o genótipo 3 para aumentar a resposta terapêutica devem receber seis meses de tratamento, contra somente três meses no tratamento dos genótipos 1 e 2. 

 – Prevenção da Hepatite C

Não existe vacina contra a hepatite C, portanto a prevenção desta doença está baseada em alerta e orientação. Não se deve partilhar, de maneira alguma, instrumentos perfurocortantes que, após serem colocados em contato com o sangue de uma pessoa, possam recortar a sua pele. Além disso, na presença de outras doenças sexualmente transmissíveis, essa transmissão pode ser facilitada pela via sexual, via esta que é muito pouco importante na transmissão da Hepatite C. Em caso de contato sexual com parceiro desconhecido, é sempre recomendável o uso de camisinha.

– Que cuidados devem ter os portadores do vírus C?

  • NÃO INGERIR BEBIDA ALCÓOLICA;
  • VACINAR-SE CONTRA AS HEPATITES A e B quando susceptível ( se não possuir anti-corpos contra estas viroses );
  • Individualizar o uso de alicates ou cortadores de unhas, tesouras, escovas de dente, navalhas ou aparelhos de barbear, seringas ou objetos perfurocortantes. Jamais partilhá-los;
  • Não doar sangue, hemoderivados, órgãos ou sêmen;
  • Informar ao seu médico, dentista ou profissional da área de saúde que é portador do vírus C;
  • Tendo um ferimento, deve mantê-lo sempre coberto por um curativo;
  • Ter cuidado com o sangue da menstruação;
  • Usar camisinha no ato sexual. Esse aspecto é importante para aqueles (as) sem uma relação estável e monogâmica;
  • Incentivar ou providenciar que TODAS as pessoas que residam com você, façam o teste anti-HVC.

– Um portador do vírus C pode ser doador de sangue?

Não pode. Mesmo que o vírus não esteja em atividade no seu fígado, ele pode estar presente em forma latente em outros órgãos e tecidos.

– Em estado gestacional a mãe transmite o vírus C para o filho?

Raramente a mãe transmite o vírus C para o filho durante o parto. Essa situação é considerada excepcional e está relacionada a uma carga viral muito elevada ou com a co-infecção com o HIV. Via da regra menos de 5% das crianças nascidas de mães portadoras do vírus C se contaminam com esta doença.

– O leite materno transmite o vírus C?

Não. A mãe pode amamentar tranqüilamente o seu filho.

– A mulher grávida pode fazer o tratamento contra a Hepatite C?

A mulher grávida não deve ser tratada contra a hepatite C, pois a ribavirina é uma droga teratogênica que pode causar má formação no feto. Já o Interferon tem efeitos pouco conhecidos na gravidez. Caso a mulher esteja grávida, é melhor deixar o tratamento para o pós-parto.

– Através do beijo se transmite Hepatite C?

Não existe nenhuma informação científica que comprove a transmissão do vírus pelo beijo, a não ser que haja sangramento ou ferimento na boca de ambos, e que um deles seja portador do vírus. Também o vírus da hepatite C NÃO é transmitido por abraços, apertos de mão, ou outros contatos físicos.

– O que é carga viral?

Carga viral significa a quantidade de partículas virais que está circulando por cada mililitro de sangue. A importância da carga viral se dá apenas para o prognóstico do tratamento, ou seja, na predição de resposta ao tratamento.

– A carga viral pode determinar se o indivíduo tem uma inflamação em larga escala no fígado?

Não. A carga viral só tem importância na predição de resposta ao tratamento.

– Por que muitos têm carga viral altíssima e os danos no fígado são insignificantes e muitos têm uma carga viral baixa e já mostram sinais de danos significativos?

Depende da interação do vírus com o hospedeiro. Trata-se de uma complexa relação que não pode ser simplificada em poucas palavras.

– Por que alguns médicos não fazem nenhum tipo de procedimento quando é detectada varizes no esôfago? Não seria um risco aguardar por uma hemorragia?

Só as varizes de médio e grosso calibre estão em risco de sangramento, por isso só elas merecem abordagem terapêutica.

– O histórico de vida do indivíduo pode ajudar ou prejudicar na Hepatite C?

Sim. Obesidade e consumo de álcool fazem a doença progredir mais rápido.

– Um indivíduo considerado bom respondedor mantém esse resultado indefinitivamente?

98% das vezes, sim.

– Por que muitos médicos dizem que a alimentação nada influi em relação ao fígado?

Porque não existem dados científicos que comprovem. Hoje devemos desconfiar do charlatanismo nesta área. Muitos fazem dietas mirabolantes, usam medicamentos formulados ou naturais. Nada disso é cientificamente comprovado.

– Porque o álcool é prejudicial a quem está com hepatite C?

O álcool é um fator adjuvante na agressão hepática do portador de hepatite C; o álcool aumenta a fibrose hepática que por sua vez aumenta o risco de evolução para uma cirrose. Além disso, o álcool tem efeitos imunológicos, diminuindo a ação imunológica do hospedeiro contra o vírus; esse fato pode elevar a replicação viral.

– Fazendo o tratamento, é provável que o vírus fique mais lento dando realmente “descanso” para o fígado, adiando assim, que um grau de fibrose demore mais para ir adiante?

Na maioria dos casos.

– O exame alfa feto proteína, é eficaz em diagnosticar que o indivíduo pode ter câncer?

Juntamente com a ultra-sonografia de abdome tem sensibilidade estimada em 60%. Não temos nada melhor como rastreamento barato e de fácil execução. A alfa feto proteína sozinha não permite dizer que o paciente tem câncer hepático.

– O que é cirrose Hepática?

A cirrose hepática é a substituição de tecido funcionante do fígado por um tecido fibroso não funcionante que destorce o órgão e atrapalha a circulação do sangue dentro do fígado. Além de causar insuficiência do fígado, pode causar também hipertensão do “sistema porta” com formação de varizes no esôfago e risco de sangramento digestivo.

– Quantos estágios tem a cirrose?

A cirrose é classificada conforme o comprometimento da função do fígado; pela classificação de “Child-Pugh” em a, b e c. O c é o estágio mais avançado.

– Por que algumas pessoas vivem durante anos com o vírus e jamais desenvolveram cirrose?

Não se sabe ao certo, mas a fibrose hepática é um fenômeno dependente da genética do indivíduo.

– Em um cirrótico quais são os benefícios do tratamento para o fígado?

Se curar, pode haver uma pequena regressão da cirrose.

– Existe algum exame que defina com precisão o tempo de contaminação do paciente portador de hepatite C?

Pela biópsia se sabe o estado em que o fígado se encontra, porém não há exame para determinar o tempo de contaminação.

– Uma vez curada da hepatite C, uma pessoa pode reinfectar-se com o mesmo ou outro genótipo?

Uma vez o paciente considerado curado, ele pode contaminar-se novamente, com o mesmo genótipo ou outro genótipo. No caso do mesmo anticorpo, a razão  é que não tem anticorpo neutralizante.

– A Hepatite C é curada por um transplante de fígado?

O que é curado por um transplante de fígado é a cirrose hepática ou o câncer de fígado e não a hepatite C, visto que a infecção geralmente reincide no paciente transplantado. O que acontece é que parte dos pacientes transplantados que obtiveram a recidiva da infecção pode ser submetida a novo tratamento antiviral. Além disso a evolução da doença pode ser bem lenta nesses pacientes.
Hoje, se pode tratar os pacientes pos-transplante com segurança e elevada taxa de sucesso.

– Qual a probabilidade real e comprovada de que o transplante pode dar uma sobrevida saudável ao transplantado?

Mais de 70% em dez anos.

– Quando se faz o transplante, quanto tempo se pode prever para que o novo fígado comece a dar sinal que já está com um certo grau de inflamação?

Na Hepatite C o retorno da infecção no novo órgão é esperado, contudo pode levar décadas para complicações. Certamente que pode ser mais rápido em alguns casos. Com os medicamentos atuais, a partir de três meses pós-transplante, pode-se indicar o tratamento.

– Existe limite de idade para começar o tratamento da hepatite C?

De acordo com os critérios oficiais do Ministério da Saúde para o tratamento da hepatite C, a faixa de idade recomendável para o tratamento, é de 18 a 70 anos. Os medicamentos atuais não limitam idade máxima , mas a maioria dos estudos só testou as drogas em indivíduos com mais de 18 anos

– O portador do vírus C poderá ter como consequência, problema de pressão arterial, de diabete, tireóide ou outros problemas de saúde?

O portador de hepatite C tem, aparentemente, maior risco de desenvolver doenças na tireóide, além de resistência a insulina e conseqüentemente diabetes. Contudo, esse risco é baixo, excetuando-se aqueles submetidos ao tratamento com Interferon cujo risco para o desenvolvimento dessas doenças aumenta um pouco mais.

– Qual o motivo pelo qual o baço tem um aumento acentuado em todos os portadores da Hepatite C?

A cirrose. Só acontece com os cirróticos.

– Quais são os medicamentos utilizados atualmente no tratamento da Hepatite C?

Atualmente são usados principalmente três medicamentos (Sofosbuvir, Daclastasvir e Simeprevir) no tratamento da hepatite C no SUS. No sistema privado há ainda o Paritaprevir-R + Ombitasvir +Desabuvir (Esquema 3D). O tratamento deve ser com a combinação dos medicamentos (Sofosbuvir + Daclatasvir ou Sofosbuvir + Simeprevir ou Esquema 3D com ou sem Ribavirina).  Em breve será incorporado o Viekira Pak aos medicamentos disponibilizados pelo SUS, que é indicado para os renais crônicos.

– Quais os efeitos colaterais mais comuns a todos que passam pelo tratamento da hepatite C?

Praticamente não existem efeitos adversos. Raramente, pode haver náusea e alteração de ritmo intestinal. O Simeprevir pode gerar fotossensibilidade, daí a recomendação de proteção ao Sol. O esquema 3D pode também gerar reação na pele em alguns poucos pacientes.
O mais importante são as interações medicamentosas. Antes de escolher o esquema, o médico deve saber todos os medicamentos que o paciente está usando para evitar problemas. Chás , Fitoterápicos e Medicamentos naturais devem ser preferencialmente suspensos ou informado ao médico.

– Dados estatísticos sobre a evolução da Hepatite C:

  • De cada 100 pessoas infectadas pelo vírus C, cerca de 15 a 20 estarão livres do vírus dentro de 3 meses;
  • Dos restantes 85 – 80, cerca de 20 não sofrerão nenhum dano ou sintoma hepático;
  • 30 – 45 terão danos no fígado em 13 a 30 anos;
  • Deste último grupo, 15 – 20 desenvolverão cirrose no período de 20 a 30 anos;
  • De 5 – 10 pessoas que têm cirrose hepática desenvolverão câncer de fígado, 25 a 30 anos após a infecção inicial;
  • No ano 2000, segundo estimativa da Organização Mundial de Saúde, haviam cerca de 200.000.000 (duzentos milhões) de pessoas infectadas pelo vírus da hepatite C no mundo.